GP Comunicação Antirracista e Pensamento Afrodiaspórico


Ementa

Análise das hierarquias raciais estabelecidas na produção, veiculação e recepção de mensagens nos diversos tipos de mídias, em articulação com as relações de classe, gênero e sexualidade. Estudos sobre as práticas comunicacionais independentes, de caráter antirracista e contra-hegemônico e sobre as relações entre comunicação, tecnologias da informação, raça e racismo – prioritariamente, articuladas a questões territoriais, de gênero, sexualidade e classe – contemplando pesquisas e estudos que abordem temáticas como:

1. Representatividade racial no jornalismo, relações públicas, publicidade, cinema, e audiovisual;

2. Políticas de comunicação e diversidade racial;

3. Racismo algorítmico;

4. Tecnologias digitais, vigilantismo e racismo;

5. Comunicação das periferias e grupos excluídos a exemplo das pessoas LGBTQIA+;

6. Imprensas negra e indígena; entre a opressão e resistência;

7. Mídia, Povos e Comunidades Tradicionais;

8. Opressões e resistências no campo da Comunicação;

9. Desinformação e discursos de ódio racial;

10. Internet e narrativas antirracistas; cibertivismo;

11. Políticas de Ações Afirmativas e cotas raciais;

12. Branquitude e identidade hegemônica;

13. Epistemologias antirracistas, comunicação, decolonialidade e necropolítica;

14. Raça, identidade e interseccionalidade;

15. Comunicação e literatura racializada como prática de resistência;

16. Comunicação, história, memória e oralidade;

17. Combate ao epistemicídio e aspectos metodológicos da pesquisa em comunicação e questões étnico-raciais;

18. Mídia, estereótipo, religião de matriz africana e tradição;

19. Quilombos e luta pela existência;

20. Corporeidade, saberes, experiência negra e indigena;

21. Racismo e reações culturais (dança, estética, cinema, música etc.).

Destaque para os aspectos teóricos e metodológicos que respondam às perguntas chaves para o desenvolvimento das pesquisas teóricas e empíricas voltadas para os impactos do racismo no campo da comunicação. Pesquisas sobre a mídia em diálogo com perspectiva amefricana: seus/as produtores/as e poder de representação. Estudos sobre as Tecnologias da Informação e Comunicação (TICs), seus usos pela população dentro da sociedade globalizada e plural, através da análise dos movimentos sociais e redes em que estão inseridas, e as novas formas de opressão que têm se construído através dos algoritmos. Metodologias comunicacionais que proponham o rompimento com os padrões hierárquicos-raciais estabelecidos pela permanente colonialidade do poder que opera nos meios de comunicação. Revisão crítica do impacto do racismo na comunicação; do lugar do racismo como estruturante do modelo do projeto de colonialismo e da proposta decolonial.

Palavras-chave: Comunicação antirracista; Epistemologias do Sul, Decolonial e Pensamento afrodiaspórico; Hierarquias raciais; Povos e comunidades tradicionais; Comunidades LGBTQIA+; Mídia e populações negra e indígena; Diáspora africana; Améfrica; Epistemologias descoloniais;

E-mail do grupo: em breve.

Coordenadora: Márcia Guena dos Santos (Uneb)

Currículo lattes






Vice-coordenador: Paulo Victor Purificação Melo (Unit)

Currículo lattes






Bibliografia de referência

AMARAL FILHO, Nemézio. As perigosas fronteiras da “comunidade”: um desafio à comunicação comunitária. Nemézio Amaral Filho, 2009. Disponível AQUI.

AZEVEDO, Lídia; MARTINS, Zilda. Política de morte: a mira certeira sem comoção social. Revista Mosaico, 2019. Disponível AQUI.

BHABHA, Homi K. O Local da Cultura. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2013.

BENJAMIN, Ruha. Retomando nosso fôlego: Estudos de Ciência e Tecnologia, Teoria Racial Crítica e a imaginação carcerária. In: SILVA, Tarcizio (org.). Comunidades, Algoritmos e Ativismos: olhares afrodiaspóricos. São Paulo: LiteraRUA, 2020. Disponível AQUI.

KRENAK, Ailton. Ideias para adiar o fim do mundo. Companhia das Letras, 2019.

COLLINS, Patrícia Hill. Pensamento Feminista Negro. São Paulo: Editora Boitempo, 2019, p. 255-289.

_______. Aprendendo com a outsider within: a significação sociológica do pensamento feminista negro. Revista Sociedade e Estado, Brasília, v. 31, n. 1,jan/abr, p. 99-127, 2016.

_______. Em direção a uma nova visão: raça, classe e gênero como categorias de análise e conexão. Coleção Cadernos Sempreviva. Série Economia e Feminismo, 4 - Reflexões e práticas de transformação feminista. São Paulo: SOF, 2015.

CRENSHAW, Kimberlé. Documento para o Encontro de Especialistas em aspectos da Discriminação Racial relativos ao Gênero. Versão traduzida (autorizada) de Background Paper for the Expert Meeting on Gender Related Aspects of Race Discrimination. Revista Estudos Feministas, n. 171. 2002.

GONZALEZ, Lélia. A categoria político-cultural de amefricanidade. Tempo Brasileiro, Rio de Janeiro, v. 92, n. 93, p. 69-82, (jan./jun.) 1988, p. 69-82.

GUENA, Márcia. SANTOS, Céres. Os assassinatos de George Floyd e João Ferreira reposicionaram o tema racial na mídia hegemônica? Uma pergunta que não quer calar In: SiLVA, Denise Therezinha, Bastos, Pablo Nabarrete, MIANI, Rozonildo Antonio, SILVA, Suelen de Aguiar. Comunicação para a cidadania, 30 anos em luta e construção social. Intercom, 2021, p.339 a 382. Disponível AQUI.

HABERMAS, Jürgen. Mudança estrutural da esfera pública: investigações quanto a uma categoria da sociedade burguesa. (Trad.). Flávio R. Kothe. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 2003. 398p.

HAMILTON, Amber M. A genealogy of critical race and digital studies: Past, present, and future. Sociology of Race and Ethnicity, v. 6, n. 3, 2020. Disponível AQUI.

LIMA, Dulcilei C.; OLIVEIRA, Taís. Negras in tech: apropriação de tecnologias por mulheres negras como estratégias de resistência. Cadernos Pagu, 59, 2021. Disponível AQUI.

LOPES, Ivonete; MELO, Paulo Victor. Raça e Racismo nos estudos em Economia Política da Comunicação: da resistência à construção de uma agenda de pesquisa. Revista Eptic, v. 22, nº 3, set-dez 2020, p. 122-138. Disponível AQUI.

MAIGRET, Éric. Sociologia da comunicação e das mídias. São Paulo: Editora Senac, 2010.

MALDONADO-TORRES, Nelson. Analitica da colonialidade e da decolonialidade: algumas dimensões básicas. In: BERNARDINO-COSTA, J.; MALDONADOTORRES, N.; GROSFOGUEL, R. (org.). Decolonialidade e pensamento afrodiáspórico. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2018. p. 55-77.

MIELKE, Ana Claudia. Comunicação e Racismo Estrutural. 2020. Texto disponível AQUI.

NOBLE, Safiya Umoja; ROBERTS, Sarah T. Elites tecnológicas, meritocracia e mitos pós raciais no Vale do Silício. 6o Vol. 22 Nº 1 - janeiro/abril 2020. Revista Fronteiras - estudos midiáticos.

PAIVA, Raquel. Novas formas de comunitarismo no cenário da visibilidade total: a comunidade do afeto. São Paulo, USP, Revista Matrizes.2012. Disponível AQUI.

________ . Política de Minorias: comunidade e cidadania. Agora.Net #3, 2005. Disponível AQUI.

SILVA, Tarcízio Roberto da. Racismo Algorítmico em Plataformas Digitais: microagressões e discriminação em código. Anais do VI Seminário Internacional LAVITS. 2019. Disponível AQUI.

SOUZA, Cecília. Comunicação e Igualdade racial: atuação de movimentos negros na primeira Conferência Nacional de Comunicação. Dissertação de mestrado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Faculdade de Comunicação da Universidade de Brasília, 2014.

SODRÉ, Muniz. Claros e escuros: identidade, povo, mídia e cotas no Brasil. Petrópolis, RJ: Vozes, 2015.

________. A ciência do comum: notas para o método comunicacional. Petropolis,RJ: Editora Vozes, 2014.

_______. Sobre imprensa negra. Revista Lumina – FACOM/UFJF, v.1, n.1, p.23-32. 1998. Disponível AQUI.

TERSO, Tâmara; MELO, Paulo Victor. Comunicação popular e comunitária salvam vidas durante a pandemia. Diplomatique, 2021. Disponível AQUI.

VAN DIJK, Teun. Racism in the press - Great Britain. Routledge London and New York, 1991.

intercom BRIGADEIRO

SÃO PAULO - SP
(11) 91628-5225
AV. BRIG. LUÍS ANTÔNIO, 2.050 - CONJ. 36- BELA VISTA
SECRETARIA@INTERCOM.ORG.BR



HORÁRIO DE ATENDIMENTO:
SEGUNDA A SEXTA-FEIRA, DAS 8H ÀS 12H E DAS 13 ÀS 17H (ATENÇÃO: NOS MESES DE JULHO E AGOSTO NÃO HAVERÁ ATENDIMENTO PRESENCIAL.
ENTRE EM CONTATO POR E-MAIL OU POR TELEFONE. O ATENDIMENTO TELEFÔNICO É DAS 9H ÀS 16H).




Desenvolvido por Kirc Digital - www.kirc.com.br